domingo, 20 de agosto de 2017

ELES



A gente se acostuma a ficar no escritório até tarde. A perder duas horas no trânsito. A ficar uma hora parada na Marginal. A se espremer no espacinho de metrô e ainda a ficar feliz por ter conseguido entrar.
A gente se acostuma a dormir pouco. A cochilar de exaustão no meio dos filmes. A passar corretivo para disfarçar as olheiras. A tomar vitamina para substituir as verduras que não dá tempo de cozinhar.
A gente se acostuma a ler menos porque não encontra tempo. A gravar áudios ao invés de ligar. A filmar ao invés de curtir o momento. A fazer selfie por qualquer razão.
A gente se acostuma a pagar 500 mil por apartamento que vale 200. A aceitar o preço do aluguel. A viver em 40 metros quadrados. A achar normal o valor do estacionamento.
A gente se acostuma a responder e-mail do trabalho fora do horário de expediente. A achar que não gostar do emprego é normal. A odiar a segunda-feira e contar os dias para a sexta. Nem que seja apenas para dormir e fazer maratona no Netflix durante o final de semana.
A gente se acostuma a ter urgência de tudo. A sentir-se obrigado a responder na hora. A ficar bravo com quem visualiza e não responde no mesmo minuto.
A gente se acostuma a desconfiar de quem se aproxima de repente. De quem puxa papo sem razão. De quem é solícito demais. A gente se acostuma a não dar abertura: para amigos novos, relações novas, trabalhos novos, oportunidades novas.
A gente se acostuma a ter pressa. A se irritar com quem anda devagar. A ter uma vontade incontrolável de ultrapassar.
A gente se acostuma com amigos mais ou menos. A ouvir demais e a falar de menos. A se doar sem receber. A rir mesmo sem achar graça.
A gente se acostuma a ter opinião sobre tudo. A criticar sem saber direito sobre o que está falando. A julgar o tempo todo. A condenar sem pensar em quem está do outro lado.A gente se acostuma a brigar no Facebook. A xingar no Twitter. A se exibir no Instagram. A achar normal os comentários dos haters. A gente se acostuma a levantar bandeiras e a bloquear quem discorda delas. A gente se acostuma a ter preguiça do debate. Talvez porque as pessoas se acostumaram a agredir ao invés de debater.
A gente se acostuma a olhar sites de viagens sem comprar a passagem. A ler críticas gastronômicas sem ir ao tal restaurante. A sonhar e nunca realizar: aquela viagem, a mudança de emprego, a vida em outro país.
A gente se acostuma a não ter mais primeiras vezes: a primeira vez aprendendo um instrumento novo, a primeira vez em um lugar diferente, a primeira vez em um curso que a gente sempre quis fazer e sempre adiou. A gente se acostuma até a comprar constantemente a mesma bolacha no supermercado, a frequentar o mesmo restaurante, a fazer o mesmo caminho para o trabalho. A gente se acostuma a confundir preferência com hábito.A gente se acostuma a se amarrar na rotina. A esquecer a sensação boa do arrepio, da surpresa, da descoberta, do acaso.
A gente se acostuma a viver quando dá tempo. E, cada vez mais, a gente quase nunca tem tempo. A gente se acostuma, mas não devia.
POR TARCILA ZAMAMI inspirado no texto original de "Eu sei, mas não devia" de Marina Colasanti. FONTE: http://confissoesesincericidios.com/a-gente-se-acostuma-mas-nao-devia/

Nenhum comentário:

Postar um comentário