segunda-feira, 23 de outubro de 2017

O mesmo tanto

Não vou mentir que eu 
Andei te procurando despistar, 
Saudade
Em vão tentando te esquecer
Mas eu passei só pra te ver, Saudade 
Coisa que não posso negar
Inda que eu me esquive desse teu olhar
Vigia

Eu preciso o mesmo 
Tanto de você.


Não é raro, desde sempre, não há biólogo que explique, a garça namoradeira sai às escondidas do luxuoso recinto no parque pra dividir o lixo da vida urbana com o seu malandro urubu - no meio do pitiú.

4 comentários:

  1. Uma certa transgressão às vezes cai bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho bonita essa história, essa necessidade do que não se explica. Pra esguia garça não falta nada, exceto a companhia do safado urubu.

      Excluir
  2. A garça, por ser branca, tomam-no por pura; o urubu, em sendo preto, por sujo... Muito mais puta a garça; muito mais funcionário público, o urubu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fato! Perfeita a analogia com o funcionário público.

      Excluir